Discurso de Bolso

As verdades absolutas existem
para se questionar, ruminar, remoer,
até que por opção deixem de ser.

Convicções são segregarias.
Complexas para se externalizar
sem fundamento.
Fazem da coerência uma defesa.
Tornam a liberdade ignorada.

A fala tem mais beleza e sentido após o ouvir.
E o ouvir é caminhar pela fala do outro.
é trazer o caminho para dentro e nele deixar fluir
nossas verdades em absoluto convictas,
é permitir que elas se permeiem na coerência alheia
e haja espaço para o do outro e o nosso.

Quando a alma é grande,
nada que dela escorre - do que é absorvido,
é desperdício.

Embora isso dito, não seja absolutamente verdadeiro.

p.s.: divagações têm que ser curtas.

3 comentários:

Vício disse...

muitas vezes deixam de o ser para quem não tem poder de as tornar não absolutas

LB disse...

Verdades absolutas? Conheço uma: não há verdades absolutas!

Beijinho

Sentir disse...

Vício;
entendo... é o chamado vai ou racha. Mas, imaginei o contrário, tirando o absolutismo de uma verdade. ;)

LB;
Concordo! Sem mais. Só um bjo.