Preto 100%.

Vestida de preto, ainda moleca, pensava em ser cantora de rock, sentia que o traje ajudaria ao compor a persona. Nunca passei da escala cromática, tampouco entrei para banda alguma, mas, me achavam com tipo – imagino que pelo esforço que fazia para parecê-lo, especialmente por não entenderem minha predileção por camisas pretas sob o sol do cítrico nordeste.
O tempo passa, a gente cresce, algumas coisas mudam, outras nem tanto, aos poucos alternativas de ganhar o pão se tornam necessárias - preferencialmente quando tangíveis as necessidades: pagar as contas, algum divertimento, entrar pro sistema... Daí, quando comecei a fazer testes psicológicos para arrumar emprego, me diziam nas filas para nunca colocar o preto como cor preferida, tem uma conotação negativa nessas ocasiões. Acho uma sacanagem, discriminar alguém por isso, sem saber o que vai por dentro. Pobre-preto-injustiçado! Nunca o abandonaria, arriscava a chance, mas escrevia seu nome nas minhas dileções.
Como até hoje continua sendo. O que não dá para entender é a segregação. O preto pega bem com tudo, é versátil, mil-em-um. Serve de moldura ou alvo. Por cima consegue ser sexy ou desleixado. Sóbrio ou vulgar. Aparenta luxo ou sujeira. Transmite peso ou rebeldia. Figura o mau ou o discreto, sem sair do tom. Tem mistério e frieza. Esquenta e destaca. Cobre padres e pagãos. Por baixo vai bem com todas as cores. Melhor pano de fundo impossível, joga tudo pro alto, especialmente se os tipos forem brancos. É maciço e chapadão, mas, consegue dar volume e contorno. O “negro é lindo”. O “pretinho é básico”. É casual num black blue, ou formalíssimo num black tie. E assim em inglês é prefixo do melhor som, aliás, música de preto é a melhor, do sul ao norte das Américas. Sempre foi música de verdade, mesmo quando virou rock inglês ... Não sou neguinha, mas, adoraria.
Deixa estar. Deve existir um bom lugar pra trabalhar, onde os devaneios sejam levados em consideração e o preto seja uma cor como qualquer outra como sinto e não a ausência delas como julga a ciência.

p.s.: Sta Clara, padroeira da televisão, me salve! Nossa Senhora das mídias, preciso muito de um emprego bacana.

5 comentários:

LB disse...

Engraçado que isso não existe...
O preto é nada mais que uma de duas coisas: a ausência de côr ou a mistura delas, sabia?

Beijinho

Sentir disse...

Certíssimo Prof. LB
como reza a óptica pode ser a ausência de luz, já fisicamente falando (acho eu) é a mistura de todas. Num sentido ou noutro ainda a prefiro do que seu oposto, "tendeu"? nem eu?

lololol

Bjos.

LB disse...

E, se gostas, é o que interessa! Por isso... "tendi"! :)

Outro

Alien David Sousa disse...

Adorei minha querida sentir! E foi sentido eu sei que foi, como? Hummm isso agora não posso revelar aqui, mas se não te vem à cabeça como sei eu digo-te por email ;) hehe

O LB tem razão quando diz que o preto é a ausência de cor mas ...há mais: Da mistura de todas as cores à luz resulta o branco! ;)

Da mistura de todos os pigmentos, o preto! :)

MAS, experimenta pegar nuns tubos com cores e misturar várias numa plantanforma redonda, e depois roda depressa e olha...e após a mistura verás o que surge. Aposto que não é o preto ;)isto é que é interessante, eu já fiz a experiência.

Beijinhos linda

Sentir disse...

Alien
Juro que Odara já morreu tadinha. E ela nem teve culpa - agora.
Às vezes fico preta de raiva quando me dá um branco e mesmo assim tenho vontade de escrever.
É preciso pensar um tanto mais, antes de sair por aí riscando o mundo.

Tua alquimia, foi o que eu disse, pelo menos tentei dizer, lolol.

R+G+B= 00+00+00 (sem luz)
C+M+Y+K= 00+00+00+100 (na folha)


Não posso girar muito... já sou tonta de natureza.

Sou péssima em ciências biológicas. E exatas tbm.

:D

Beijo grande!