sempre abominou teorias e opiniões naquela disciplina que virou seu inferno. após matar quatro meses de aula, reprovou também por falta e pela terceira vez. nos primeiros anos fora duramente perseguido pelo professor que abandonou misteriosamente o curso e da substituta ouvira a ameaça que iria jubilar. isolado e indignado desde a advertência por reagir a agressão verbal de uma colega idosa - na última discussão em sala, sentia-se cada vez mais humilhado e não hesitou dar um fim na injustiça contratando alguém para espancar a professora de ética.

4 comentários:

Felipe A. Carriço disse...

O fato dele ter pago alguém pelo serviço mostra que, no fundo no fundo ele tinha uma pontinha de ética. Eu teria pedido fiado!

Tiago F. Moralles disse...

Porra, joga tudo pro alto e vira publicitário.

∑S∑ disse...

vontade de fazer um trocadilho cafajeste, mas endosso o conselho do tiago.

vira publicitária. vc vai dar pruma boa redatora.

e o trocadilho cafajeste ficou sério. visse.

Marcelo Novaes disse...

Depois de 14 anos sendo reprovado [ esses quatro meses matando aula são só a ponta do iceberg], tem mais é que ser jubilado mesmo.



E que a professora de ética contrate uns jagunços à altura do meliante.






beijos,









Marcelo.