deito com as incertezas. o mesmo medo. o quarto vazio. um cheiro invisível no travesseiro novo. meu peito acelera com o silêncio da noite. me ouço. me falo. espero, me aflito. finjo dormir, pro corpo descansar. acordo com a boca seca. meus olhos ardem abertos ou fechados, seguem cegos. minha mente não pára e mesmo assim, ignoro as mensagens externas. o primeiro sol. saio de casa correndo, o dia me esquece. a cada passo ouço mais longe as batidas. meu coração ficou pra trás, escondido nas ruínas do antigo paraíso. vive nas sombras. abrigado nas lembranças, vela nosso lugar e aguarda o regresso repentino do amor.

4 comentários:

Alien David Sousa disse...

AMEI este texto linda.

Beijinhos meu guaraná fresquinho

Sentir disse...

;)

Pra quem não sabe disse...

ele virá.
repentino e absoluto.
prq o amor subsiste. always.

Sentir disse...

só posso concordar, com todas as catástrofes, é sempre melhor com ele.