Stella Im Hultberg
Ela até tenta ser madura. Mas, nem sempre consegue. Justifica suas atitudes desequilibradas com as características de seu signo, numa retórica pronta da inconstância só por ela vivida. Com o sangue frio, reconhece a estupidez dos seus atos, e se desculpa intimamente (ao contrário seria pedir de mais) pela falta de tato no conseguir aceitar os dele. Diz não ter mágoas, apenas lamentar o insucesso - como se fosse uma empreitada comum, deixar o outro invadir seu ser. Sente e ressente a impossibilidade do continuar (o orgulho ferido dele sangra mais que o brio dela). O que contradiz suas próprias afirmações sobre o ser possível perdoar e tocar em frente - há muito deixou os hábitos catolaicos. Só confessa guardar as imagens divertidas e doces - quando tudo era novo e lindo, no frescor e empolgação dos três primeiros meses, assim como aquele gesto bonito dele de querer ajudá-la. Detalhes que ninguém sabe, e que, são bem mais valiosos do que suas fragilidades emocionais alardeadas a esmo.

4 comentários:

NunoSioux disse...

Cheira-me a sindrome de Peter Pan
;)

Beijo

Sentir disse...

Ai! Nuno;
ah, deixa eu brincar!

:P

Vício disse...

ser madura pode ser um problema!
imagina se a arvore é muito alta...

Sentir disse...

Viciante
sem falar que, de madura, só se pode passar do ponto. :D