azedume

1, 2, 3, 4, 5, 6, 7... ôm... ôm... ôm... que porra! Nada resolve. Não fumo mais (que saudade do doce gosto de um Marlboro). Não bebo há tempos (hoje só se fosse absinto pra aliviar meu amargor). Odeio remédios (ainda não sou uma psicopata - embora tenda a me tornar). Vou me entorpecer com suco de maracujá. E essa tempestade me ilhando. Chega de chuva. Quero desconectar e pensar no target do meu patrão. Uma eterna verborragia e nada publicável, é complicado falar de um tema só. O pior é que algo cantarola ao meu ouvido, nem quero lembrar de quem seja a letra. “Não me arrependo de nada, dos erros que cometi. Mesmo assim me sinto uma menina má. Se hoje eu sei que errei, pra saber teve que ser assim. E se pude recomeçar foi só porque um dia perdi”. Puta que pariu! Só perdi. O duro é que agora só nascendo outra vez. Estou de fato cansada. Nem poderia mentir o quanto sorri ou chorei. As canções que o digam por mim. E assim penso no que essa estrada já deu pra mim, estou fazendo as malas – uma louca me convidou para morar em São Paulo, acho que irei! Se é para enlouquecer que seja por inteiro. "Seu amor - conheci, ser feliz - conheci, sem saber - te perdi”. Que lixo, que piegas. Ai meu saco, desliga o rádio, por favor! "É verdade e com o tempo o caminho ensina que se as coisas vão mal, se nada entender, devo seguir no escuro até o futuro..." Acho que vou vomitar, alguém mude de estação! Reconheço que nada pode ser mais insuportável que a minha ignorância. Estou farta dessa previsibilidade. E um tanto mais da programação popular das FMs comerciais. Alguém me salve.

p.s: escrito originalmente às 16h25min do dia 13/03/2006, mas continuo sem vícios visíveis, meus amores continuam risíveis, não mudei para São Paulo, não ouço mais rádio e, óbvio, meu coração ainda pulsa.

2 comentários:

Fabio disse...

Reitero aqui aquele belo diamente tão bem lapidado pelas mãos da Adélia Prado: "A vida tão curta e eu ainda não tenho estilo". Tem base? Mas calma, "aquilo que não mata, te fortalece". Nietzsche...espero que seu coração ainda esteja pulsando!!!!

Sentir disse...

Fábio
Como bem sabes Nietzsche tem emprestado bons slogans para minhas campanhas.
Sou forçada a concordar com a catolaica Adélia, tudo parece que foi ontem, mas já vivi tanto e ainda não fiz nada.

Ele pulsa por você...