baladinhas juvenis e torpedos do antigo mundo. um coração querendo pulsar romanescamente diante do amor contemporâneo. neopaixão e suas urgências anacrônicas. novas palavras, para dizer coisas conhecidas. incursões culturais, diferenças, semelhanças, confuso horário, escalas, atalhos e ponte aérea. espera, surpresa. o silêncio reticente precede o beijo. e enfim, no conforto do abraço a cumplicidade da batida gêmea, involuntária e atemporal.

5 comentários:

Tiago F. Moralles disse...

Achei-me perdidamente em palavras achadas de paixões perdidas.

dan disse...

e hoje em dia, como é que se diz eu te amo =)

Iasnara disse...

por um tempo esqueci dos sentidos, até ter certeza que eu sou eles.

∑S∑ disse...

delícia ler isso.

∑S∑ disse...

passo mal (no bom sentido) lendo isso